31 de maio de 2015

Desconstruindo Donnie Darko

Título: Donnie Darko
Elenco: Jake Gyllenhaal, Jena Malone, Drew Barrymore, entre outros
Direção: Richard Kelly
Gênero: Dorgas, mano
Duração: 113min
Ano de Lançamento: 2001

Nota: 4/5 

Donnie (Jake Gyllenhaal) é um jovem brilhante e excêntrico, que cursa o colegial mas despreza a grande maioria dos seus colegas de escola. Donnie tem visões, em especial de um coelho monstruoso o qual apenas ele consegue ver, que o encorajam a realizar brincadeiras destrutivas e humilhantes com quem o cerca. Até que um dia uma de suas visões o atrai para fora de casa e lhe diz que o mundo acabará dentro de um mês. Donnie inicialmente não acredita na profecia, mas momentos depois um avião cai bem no telhado de sua casa, quase matando-o. É quando ele começa a se perguntar qual o fundo de verdade da sua previsão.

Talvez esse título seja um pouco – ou totalmente – mentiroso. Há grandes chances de que eu não consiga nem começar a desconstruir esse filme, mas eu realmente não me importo, pois filmes não foram feitos para ser analisados e estudados a fundo, principalmente os filmes como Donnie Darko.

Isso é arte, não uma aula de física. É legal quando milhares de perguntas ficam na sua mente e você cria as mais diversas teorias e conversa sobre elas com outras pessoas. Você revê o filme e vai descobrindo coisas novas, muda algumas opiniões, no final você acaba se desconstruindo.

Mas vamos falar de fato do filme. Ele é cult, beirando aquela categoria de “filmes que todo hipster tem que assistir”. Donnie Darko aborda os mais diversos assuntos: adolescentes que vivem no subúrbio, como o sistema escolar é uma porcaria, os valentões que temos que enfrentar diariamente, se apaixonar. Esses assuntos que vimos em quase todo filme teen, mas também aborda alucinações, buraco de minhoca, viagem no tempo e um coelhão que te manda fazer coisas.

Admito que o personagem do Coelho foi o meu favorito, aquela fantasia horripilante e aquela voz distorcida me assustou e me conquistou ao mesmo tempo.

Mas o ponto alto do filme é que ele te incomoda de um jeito bom, você fica confuso em algumas partes, não entende muito bem o que está acontecendo e quando acha que entendeu algo, em seguida algo acontece e muda toda a sua linha de raciocínio. É um filme cabeçudo, mas não acho entediante, aquele tipo de filme que muitas pessoas fingem que gostaram só para parecerem cult.

Não quero dar nenhum spoiler sobre esse filme, pois isso é um crime horrível, porque cada cena deve ser descoberta, cada surpresa e interrogação valem muito a pena, por isso não falarei sobre minha teoria sobre os acontecimentos da trama.

Talvez quem assista Doctor Who consiga entender mais facilmente todo o lance de viagem no tempo, pois para mim não foi tão confuso, como eu vi que foi para outros.

É realmente um saco não conseguir descrever esse filme e não dar spoiler, mas acho que mesmo com a ajuda deles eu não conseguiria colocar em palavras o quanto eu gostei desse filme.

É confuso, perturbador, corajoso, curioso, inspirador, indie, cult, hipster, cabeçudo, com uma trilha sonora incrível e atuações maravilhosas e cenas incríveis. A do auditório é minha favorita (tem a Ashley Tisdale e o irmã da Carly, de iCarly hahah).

Mas tenho que dedicar um parágrafo exclusivo para o Jake Gyllenhaal, que com apenas 22 anos conseguiu interpretar tão bem esse personagem tão complexo e também por ser tão gatinho, AI MEU DEUS!

O filme é uma ótima experiência para quem procura algo diferente, que te faça ficar matutando por um bom tempo.


E antes de terminar, cuidado com os coelhões que podem aparecer em seus sonhos.



3 comentários:

  1. Oi Carol! Adorei o post! Assisti esse filme esses dias e super concordo com o que você escreveu, sobre as questões que ficam na cabeça quando se acaba de assistir. O legal é isso mesmo, cada um ter uma 'interpretação' sobre e discutir, e esse filme da muita discussão! haha Quando acabei de assistir fiquei tipo, nossa, tenho que ver de novo. hahahaha gênero: dorgas, mano hahaha

    http://inicioemcor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Ai Carol, como eu tava com saudade de ler o seu blog! A vida sem wifi em casa não tá nada fácil. :(((
    Enfim, acho que você sabe que eu amo esse filme, né? Quando eu assisti só conseguia pensar "por que eu levei tanto tempo pra assistir isso?!". Eu tenho uma paixão por filmes que nos desafiam a desvendá-los, a bater cabeça, especialmente os que se desenvolvem de forma surpreendente. Eu sempre gostei de assistir filmes com meu pai e nós sempre tentávamos entender o filme da melhor maneira ou adivinhar o que ia acontecer, isso acabou me dando um certo talento pra filmes mais complexos como esse, porém também me fez criar raiva de qualquer filme completamente previsível. Antes de Donnie Darko terminar eu já tava pensando "se terminar assim eu não vou gostar, se terminar de tal forma eu posso gostar, mas vai ser chato porque eu adivinhei" e o filme me surpreendeu completamente. AMEI
    Eu entendi o filme, mas confesso que fiquei em dúvida e pesquisei pra ver se a interpretação de outras pessoas batia com a minha. hahaha
    Então, adorei e como eu queria ser a Jena Malone pra dar uns pegas no Jake! kkk

    ResponderExcluir
  3. Adoro esse filme de paixão, já assisti milhões de vezes, sem falar na trilha sonora ♥ até mudei o nome do meu blog pra Cellar Door hehe O que é legal nele é exatamente o que você falou, o filme é complexo e quando você acha que entendeu, algo acontece e muda totalmente sua percepção. Vejo muita gente procurando explicações e outras tentando explicar, mas acho que no final cabe a quem assiste mesmo decidir no que acredita kk

    Cellar Door

    ResponderExcluir